Correio do Sertão 105 anos de História e Resistência!

Como disse o Escritor Luis Carlos Santos Lopes, Morro do Chapéu seria apenas mais uma cidade do interior da Bahia se não fosse dois produtos culturais que lhe dão notabilidade: o Correio do Sertão e a a Filarmônica Minerva. É através deste veículo de comunicação que se conhecem os hábitos e as variadas facetas de sua gente, notadamente o seu pendor para as artes e a cultura de um modo geral.

Morro do Chapéu celebra hoje, dia 15 de Julho de 2022, o 105º ano de vida do ininterrupto Jornal Correio do Sertão, a marca de mais de um século que raros jornais no Brasil e na Bahia atingiram, o feito já é uma vitória. Cabe aqui como uma luva o comentário de Aloysio de Carvalho Filho, certa feita, na revista do IGHB, a respeito de três grandes jornais, remanescentes do século XIX: “Se outras virtudes não possuíssem teriam… a da longevidade, o que, em tema de imprensa, significa merecimento”. De fato, sobreviver décadas a fio, significa, no mínimo, a aceitação do público leitor.

O Correio não apenas se manteve na arena jornalística como rompeu a barreira de um século. Naquele tempo,  a cidade tinha poucas residências e, portanto, um público leitor limitado. Estimava-se o índice de analfabetismo na Bahia em cerca de 80%, de onde podemos deduzir as dificuldades para se manter vivo um jornal. Da vizinhança apenas Lençóis possuía tipografia que imprimia papéis, convites, livros contábeis, panfletos, mas nenhum jornal circulava na região. O que Honório provavelmente desconhecia é que entre os mais de 650 títulos editados em 45 municípios baianos, entre 1823 e 1917, a maioria sequer tinha ultrapassado a barreira de um ano de circulação. Logo sentiria na pele a dificuldade de vender uma assinatura e a dificuldade maior de receber os valores. A distribuição, ele mesmo assumiu, porta a porta, confiado no seu bom relacionamento.

O pioneiro da imprensa no Morro do Chapéu adquiriu um prelo manual da Alemanha que desembarcou no Porto de Salvador para ser transportado por via férrea até a estação de Queimadas e de lá até o município em lombo de burros. Estreou o jornal aos domingos, com circulação semanal, em princípio, mais tarde quinzenal. Tinha quatro páginas e chamava a atenção no seu lançamento a coluna “Cantarolando”, emula da mais famosa crônica em versos da Bahia “Cantando e Rindo” (onde despontava o fino humor e a ironia de Aloisio de Carvalho, o Lulu Parola do Jornal de Notícias). Desconhecemos o autor dos versos, assinados por um certo Zé Cantador. Seria Eurícles Barreto?

O fundador do Correio do Sertão faleceu em 1946, então assumiu a direção o filho, Adalberto Pereira, e a partir de 1980 o comando passou para o neto  Paulo Gabriel, até 2010, quando seu filho e bisneto do fundador, Edson Vasconcelos, encarou a missão do legado familiar e dos valores imateriais da marca.

O seu acervo histórico garante aos pesquisadores um precioso acervo para consulta sobre a história política, econômica, cultural e social da região.

1ª Edição do Jornal Correio do Sertão – 15 de Julho de 1917

PERSEVERANÇA E FÉ.

HÁ 105 ANOS, PARECIA UTOPIA
NINGUÉM ACREDITAVA NO JOVEM SONHADOR
MAS HONÓRIO COM BRAVURA E CORAGEM
O SEU JORNAL AQUI NO MORRO ELE FUNDOU
E PRESTANDO UMA HOMENAGEM AO SERTANEJO
CORREIO DO SERTÃO DEU O NOME AO FILHO SEU
E AGRADECENDO A DEUS PELA FAÇANHA
SEU VELHO SONHO, EM REALIDADE TRANSFORMOU.

SEUS DESCENDENTES COM AFINCO E UM SÓ PROPÓSITO
DE MANTER VIVO O IDEAL DO FUNDADOR
COM A UNIÃO E O CARINHO DOS ASSINANTES
VENCEU BARREIRAS E ASSIM CONTINUOU
EM SEUS ARQUIVOS GUARDA TODA UMA HISTÓRIA
DE TODA REGIÃO, DO SEU POVO E SEU LABOR
DA BAHIA É O SEGUNDO MAIS ANTIGO
CORREIO DO SERTÃO ELE FOI DESBRAVADOR

SÃO 105 ANOS DE LUTAS E HISTÓRIAS
DE TRADIÇÃO E GLÓRIA, PERSISTÊNCIA E LOUVOU
CORREIO DO SERTÃO É O VELHO MENSAGEIRO
QUE ORGULHA O NOSSO MORRO E TODA REGIÃO.

Autor: Edson Vasconcelos – Diretor

AGRADECIMENTO:

Venho através deste Site, agradecer primeiramente a Deus por mais um ano de vida deste Centenário periódico, como também aos nossos parceiros: A Prefeitura Municipal ” Gestora Juliana Araújo”; o presidente da Câmara de Vereadores, André Valois; Gráfica Karneiro, em Irecê; Gráficas Vitória e Diamantina, em Morro do Chapéu; ASCOM “Marcelo”; LR Noticias “Leo Ricardo”, Duda Félix, as famílias Pereira Valois; a minha família, que sempre está ao meu lado, principalmente nos momentos difíceis e de um modo especial, agradeço aos nossos diletos Assinantes e Anunciantes que com suas assinaturas nos ajudam também a manter viva essa história chamada CORREIO DO SERTÃO.

Edson Vasconcelos – Diretor

Deixe um comentário