Ninguém pode ser investigado no Governo Bolsonaro!

Após cinco meses no comando da Superintendência da Polícia Federal no Distrito Federal, o delegado Hugo de Barros Correia será afastado do cargo pelo diretor-geral da PF, Paulo Maiurino. Segundo apuração do R7, o delegado já foi informado sobre a saída e aguarda publicação no Diário Oficial da União, prevista para a próxima semana.

De acordo com informações de membros da PF, a gota d’água para a saída do delegado teria sido o fato de o superintendente do DF não ter avisado à direção-geral da PF sobre a operação realizada na última quinta-feira (7), que envolveu Tatiana Marques de Oliveira Garcia Bressan. Ela é suspeita de ser informante do blogueiro bolsonarista Allan do Santos. Tatiana estagiava no gabinete do ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF).

Sob o comando de Hugo de Barros que estavam inquéritos importantes que investigam o envolvimento de empresários, políticos e ativistas aliados ao presidente Bolsonaro em ações como a das fake news e outro inquérito sobre Jair Renan, o filho mais novo do presidente.

O primeiro inquérito foi aberto a pedido do Ministério Público, após denúncia de possível tráfico de influência e lavagem de dinheiro feita contra Jair Renan por parlamentares de oposição. A PF investiga o envolvimento da empresa do filho de Bolsonaro com o governo federal.

Já o inquérito das fake news apura a divulgação sistemática e coordenada de conteúdo falso contra a democracia. Ainda sob o comando da Superintendência da PF no DF está o inquérito dos atos antidemocráticos, que investiga a organização de manifestações contra as instituições do Estado. É no DF que ocorrem também investigações sobre o ex-ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles.

A PF ainda não se manifestou oficialmente sobre o caso.(R7)

 

Deixe um comentário