Confira como foi o cenário epidemiológico do mês de junho em M. do Chapéu!

O cenário epidemiológico da cidade de Morro do Chapéu é caracterizado por um composto de diversas doenças transmissíveis; entre elas, as principais são Covid-19, Tuberculose, Sífilis, HIV e as Arboviroses (Dengue, Zica e Chikungunya). Cada doença se comporta de uma forma ao longo dos dias, meses e anos, devido a sua forma de transmissão.
A seguir, alguns dados das doenças citadas a fim de informar a população o cenário de saúde e doença no município e promover alertas epidemiológicos que incentivem os cuidados em saúde. Informando também, dados de vacinação e dados sobre a testagem da covid-19.
Começando pela covid-19, no município de Morro do Chapéu a doença se comporta com momentos de alta e baixa ao longo dos meses, formando diversas “ondas” de novos casos. Porém ao longo do meses de 2021 (janeiro à junho), podemos perceber uma tendência de crescimento no número de casos, com pico de casos em março, conforme gráfico abaixo:
O gráfico de casos ativos é o espelho da realidade epidemiológica da doença, uma vez que casos ativos são pessoas que estão na fase de transmissão da doença. Podemos perceber uma tendência ao crescimento de casos ativos ao longo de 2021; onde o maior número de casos ativos foi registrado no meio de maio, período de maior risco de adoecimento pela covid-19 no ano de 2021. Atualmente, registramos um número de casos ativos igual ao do começo do ano.
Quando analisamos a curva de casos positivos da covid-19 por semana epidemiológica, vemos um pico de casos positivos na semana epidemiológica 10 (mês de março), mantendo a tendência de crescimento de casos ao longo do ano (ver linha de tendência linear). Esse cenário deve-se a intensificação de testagem no mesmo mês (março), especialmente a ação de testagem com o comércio.
Inclusive, iniciamos no ano de 2021 estratégias para melhor diagnóstico da Covid – 19: ações de testagem em massa, realizadas em março e junho, inclusive na zona rural; ampliação da testagem na zona rural, aquisição de testes rápidos para detecção de antígeno e intensificação do rastreio de contatos de casos positivos para testagem. Seguem dados comparativos de testes realizados para covid-19. Na oportunidade, realizamos também ações e ampliação da testagem para outras doenças igualmente importantes: HIV, Sífilis e Hepatites Virais.
A análise da síndrome respiratória aguda grave (srag) no município, mostra a gravidade do problema: observamos um crescimento exponencial da gravidade da doença, onde iniciamos o ano com 04 pacientes internados e finalizamos com 14 pacientes. Ao passo que o número de óbitos também apresenta crescimento, conforme gráfico a seguir.
A infecção pelo covid-19 se insere de forma concomitante com os casos de tuberculose. Da mesma maneira, o diagnóstico da tuberculose também foi intensificado e qualificado no município para evitar-se óbitos pela doença. Seguem dados sobre a tuberculose no município: no ano de 2021 até o mês de junho já foram notificados 12 casos de tuberculose, sendo 07 casos confirmados com exame laboratorial até o momento e 01 óbito pela doença. Enquanto no ano todo de 2020, foram apenas 02 casos diagnosticados de tuberculose. Todos os casos positivos de tuberculose tiveram seus contatos domiciliares testados para também identificar a doença.
Igualmente importante no cenário epidemiológico municipal, temos os casos de Arboviroses (Dengue, Zica, chikungunya), doenças causadas pelo mosquito Aedes aegypti. Os sintomas da dengue se assimilam com os sintomas da covid-19, e dificultam o diagnóstico e a detecção de casos para ambas as doenças. Apesar disso, o município identificou ao longo de 2021, 77 casos de dengue, 01 caso de chikungunya e 02 casos de zinca. Segue cenário epidemiológico da doença ao longo dos meses de 2021. Nenhum óbito pela doença foi registrado no município.
Os casos de dengue se distribuem no município de maneira progressiva, os primeiros casos foram identificados no bairro Alto da Chapada, seguido da Caixa D’agua; desde então vem-se identificando casos em todo o município, incluído localidades de zona rural, como Icó, Tamboril e Fedegosos. Para todas as localidades e ruas com casos identificados, foi-se realizados ação de bloqueio com busca de focos do mosquito e aplicação de praguicida. Além disso, em todo o território morrense, realizaram-se ações de educação em saúde buscando prevenir e informar a população sobre os cuidados com a dengue.
A vigilância epidemiológica municipal segue intensificando suas ações de prevenção, diagnóstico, acompanhamento e rastreio de todas doenças transmissíveis.
Dados de vacinação
Além da distribuição, armazenamento e monitoramento de todas as vacinas disponíveis no município; a vigilância epidemiológica municipal também se insere no planejamento e execução das campanhas de vacinação. No ano de 2021, duas campanhas foram iniciadas: contra covid-19 e influenza.
A influenza já se encontra em sua fase final com todos os públicos contemplados: profissionais de saúde, idosos, gestantes, crianças, motoristas, pessoas com comorbidades, dentre outros. Na última semana, foi – se ampliado a vacinação contra influenza para o público em geral, a fim de intensificar a cobertura vacinal. Atualmente a cobertura vacinal da influenza no município encontra – se em 49,2%, calculado com a estimativa da população acima de seis meses. Reforçamos que a vacinação contra a influenza é uma campanha anual e cada dia mais importante para redução dos índices de pneumonia e mortalidade associado às gripes. Toda a população morrense pode procurar sua unidade básica de saúde para ser vacinado contra a influenza.
Associado a esta vacinação. Outro movimento de campanha acontece em todo brasil, é a vacina contra a covid-19. Atualmente as vacinas disponíveis e aplicadas no município são: Coronavac, Astrazenica, Pfizer, Janssen. Todos os grupos prioritários determinados pelo plano de vacinação nacional, estadual e municipal foram contemplados para vacinação no município. Atualmente a vacinação seguem o critério de idade com forte adesão da população. Salientamos que o município de morro do chapéu possui uma população transitória caracterizada pelos trabalhadores da energia eólica que estão sendo igualmente vacinados com o munícipes, mesmo sem o recebimento de doses extras para vacinação.
Doses diárias de primeira dose em 06/07/21: 469 – maior quantidade de doses diárias já realizadas no município.
Quantidade de pessoas que faltam para ter esquema vacinal completo: 8278. Uma pessoa só é considerada imunizada com o esquema de vacinação completo. Portanto, reforçamos a toda população, que fiquem atentos a data da segunda dose e compareçam no local de vacinação. Em caso de viagens e doença, a dose poderá ser antecipada ou atrasada sem qualquer prejuízo a vacinação; nestes casos entrar em contato com a equipe da vigilância epidemiológica.
Atualmente o município encontra-se com uma cobertura vacinal para covid-19, calculada com base na população elegível para vacinação (acima de 18 anos) de 60,83%. Uma ótima meta, considerando que a vacinação da zona rural para acima de 35 anos iniciou no dia 06/07. Todos os esforços estão sendo realizados para que a vacinação seja coletiva; algumas ações estão sendo executas para isto: vacinação volante, aumento da equipe de vacinação, vacinação aos finais de semana e criação do ponto fixo de vacinação.
Salientamos que em nenhum momento o município de Morro do Chapéu ficou sem receber novos lotes da vacina por descumprimento de meta. Atualmente o município conta com 100, 36% das doses recebidas pelo estado aplicadas apesar de ainda possuir 600 doses em estoque. Isto devido a quantidade de doses extras que alguns frascos de vacina possuem, que são igualmente aplicados com a mesma segurança, contabilizadas e informadas ao Governo Estadual e Federal.
A vigilância epidemiológica preza pela prevenção da saúde e proteção dos indivíduos contra as doenças transmissíveis. Em articulação com os diversos setores do município seguimos no combate ao covid-19 e as diversas doenças que afetam toda a população.

Deixe um comentário