Posto de Vigília 209: Existe a Transcomunicação Instrumental?

EXISTE  A  TCI – TRANSCOMUNICAÇÃO INSTRUMENTAL?  –  Esse artigo dá continuação ao assunto anterior, quando vimos o livro “Telefone para o Além”, do sueco Friedrich Juergenson, que gravou vozes humanas no seu gravador, quando captava no aparelho vozes de pássaros numa ilha deserta (livro editado no Brasil em 1972). Após confirmado o fato, logo se desencadeou no mundo inteiro, uma curiosa avalanche de pessoas tentando obter novas comunicações, usando aparelhagens mais sofisticadas como geradores de ondas de altíssima frequência, pois disso depende a comunicação interdimensional (TCI). Setores avançados da nossa Ciência (a partir de descobertas da Gnose de Princeton – grupo de estudos metafísicos da famosa Universidade – nos abrem as portas de um novo universo de fenômenos inimagináveis para nossa ciência clássica, trazendo-nos possibilidades antes exclusivas da Ficção. Alguns contatos extraterrestres nos mostram a possibilidade de viagens fora do nosso Tempo e Espaço, o que possibilita a aproximação de longínquos sistemas solares e galácticos. Os gnósticos de Princeton nos mostram um universo vibratório de SETE FAIXAS (Oitavas, em referência às oitavas musicais) e dessas faixas apenas conhecemos a nossa dimensão física/material. Ao morrermos – dizem eles – passamos para uma segunda faixa de vibração elevada e ainda por nós inacessível. Mas é para essa segunda Faixa que nossas ondas magnéticas de alta frequência são dirigidas a fim de chegarmos ao “Telefone para o Além”, estabelecendo comunicação. O que vemos em tudo isso é apenas o cumprimento da previsão já mencionada aqui, de que a Ciência se tornará Religião e a Religião se tornará Ciência – unificando o que hoje ainda está tão distante e separado. Outra novidade – essa é extraída do famoso caso da queda de Roswell (julho de 1947), nos Estados Unidos, onde um OVNI caiu e foi resgatado e submetido à investigação, dando origem à chamada “engenharia reversa”, sendo verificado que há objetos construídos com “alinhamento atômico/molecular”, assim como nós construímos casas com tijolo e massa. No primeiro caso, se pode alinhar campos magnéticos que filtram radiações e podem ser reciclados ou restaurados, inclusive em corpos humanos. Um pão, fruta ou qualquer objeto, poderá ser construído através de uma simles “cartela magnética” do objeto desejado, que retira do ar as concentrações de átomos necessários para obtermos qualquer coisa desejada (variação da nossa já conhecida Impressora 3D). Voltando ao tema desse artigo – “telefone para o Alem” – temos dois casos (ainda sem confirmação científica, mas possíveis dentro desses raciocínios). Um engenheiro militar americano, diretor de Comunicações de rádio, ao morrer foi contatado por alguém que o convidou a assumir a direção de um programa de Comunicações. Ao perguntar que tipo de comunicação, lhe foi informado que era comunicação por via de rádio entre o “mundo de lá e o nosso mundo de cá”, o que foi de imediato aceito pelo citado militar.  Esse fato foi narrado pelo próprio engenheiro, numa comunicação com um pesquisador terreno com quem tinha contato através de aparelhagem especial). O outro caso – ainda mais interessante – será contado aqui no próximo artigo.

         Alonso Valdi Regis

         Morro do Chapéu (BA)  3l.março.2021

         alonsovregis@gmail.com

Deixe um comentário