Posto de Vigília 207: Palavras que Valem Um Milhão!

PALAVRAS  QUE  VALEM  UM  MILHÃO  –  Obs. – Suspendo a série sobre Transição e Regeneração planetária, enquanto aguardo novas informações e vou preencher a espera com esses artigos sobre “Palavras-chave” de grandes ensinamentos já inspirados pelas Revelações (apocalípticas) que aguardamos.  Primeira palavra: UNIVERSO ou UNO-e-VERSO na sua significação desdobrada. O UNO é DEUS e o VERSO é tudo o que foi criado por DEUS. O Verso somos nós, é a Natureza, desde o átomo até as estrelas – tudo é o “verso” do Deus criador. Ligadas a essa palavra-chave que é o Uno+Verso, temos outras duas palavras que valem a pena conhecermos suas estruturas e sentidos. As palavras ESSÊNCIA  e  EXISTÊNCIA. A “essência” (do verbo SER, também se refere ao DEUS que é a “causa primária” de tudo o que EXISTE.  E a palavra Existência vem de Ex-essere (latim), ou seja, tudo o que ex-iste teve sua origem (prefixo “ex”) do SER – que é DEUS. Por isso não dizemos “Deus existe”, mas sempre “Deus é” (do verbo SER). O verbo SER (verbo oficial de ligação, no sentido gramatical), é também sinônimo de algo que é real, perene, íntegro e imortal. Daí se dizer: Eu existo, Deus é. Dizer “Deus existe” é um erro grosseiro e imperdoável, pois mostra que Deus veio de alguma coisa que lhe preexiste. Deus é a Essência eterna e imutável. E ainda falando sobre DEUS, os antigos filósofos gregos o denominaram LOGOS, palavra também usada por João Evangelista que escreveu seu Evangelho na língua grega e, assim, também denominou Deus como Logos. Quando os latinos (de Roma) fizeram a tradução do Evangelho de João e chegaram à palavra LOGOS, tiveram dificuldade em achar uma palavra latina para traduzir o Logos (segundo H.Rohden). E criaram a palavra VERBO (“No princípio era o VERBO e o Verbo era Deus”), assim começa o seu Evangelho. Certo dia, perguntaram a Albert Einstein se ele acreditava em DEUS. Ele respondeu: “Acredito no Deus de Spinosa”. Curiosos, foram ver o que Spinosa pensava de Deus. Esse era o Baruch Spinosa, pensador holandês que viveu no século 17 e em seus escritos afirmou que “Deus era uma CONSCIÊNCIA presente em todo o Universo e criador de todas as coisas. As características principais dessa Consciência universal são: onipresença, onisciência e onipotência.  Está presente em cada átomo, dentro de nós e nas galáxias. E o mais importante de tudo: DEUS ao nos criar, colocou dentro de nós uma centelha dessa sua tríplice qualidade, nos tornando “deuses em potencial”… Essas considerações sobre temas tão importantes estão agendadas para formar novos conceitos de religião e espiritualidade que virão a bordo da Grande Revelação que é o Apocalipse.

           Alonso Valdi Regis

           Morro do Chapéu BA   15.Fev.2021

            alonsovregis@gmail.com

Deixe um comentário