Para uma boa leitura Dr. Marcio Leite escreve: Algumas coisas que o Vírus nos ensinou!

Ele é pequenino, eu sei, mas organizado, funciona aos milhões, bilhões, como um exército bem treinado. Sua função é ocupar espaços vazios, mortos, inarmônicos. Sua agressividade tem o tamanho e o poder de nossa invigilância. E nós? Somos grandes e desagregados. Somos enormes e inconscientes. Não entendemos sequer os mecanismos de nossas defesas, de nossa proteção frente a enfermidades que não dominamos. Os médicos ainda têm a visão pasteuriana, responsabilizam pequenos seres por nossas mazelas. A medicina psíquica, a medicina espiritual ainda não existem. Ou se existem ainda não têm força. Ainda estão no berçário das ideias revolucionárias, das ideias visionárias que transformam o mundo. Devagar! Vamos devagar! A mente coletiva só quebra paradigmas quando uma determinada quantidade de mentes individuais muda. Ainda não atingimos essa massa crítica. Mas é imperioso que o façamos. O vírus é uma força que nos põe de joelhos. E é tão pequeno! Ele nos fez ficar em casa, nos fez repensar. Ameaçou nossas vidas, as vidas dos que amamos. Lembrou-nos o quanto são caras. Ele nos obrigou a conversar com os nossos entes queridos nessa quarentena compulsória. E nos fez ver quantas arestas tínhamos que aparar. E nos fez olhar nos olhos daqueles que amamos no anonimato. E nos fez ouvir o canto de pássaros que não conhecíamos (aqui na praça eu tenho pássaros, saguis, sariguês, e iguanas também). O vírus me fez andar mais com meus cães, e eles gostaram da ideia. O vírus limpou as ruas da inquietude humana. A natureza respira. O planeta agradece. O vírus diminuiu nossa proverbial capacidade de destruir, de sujar, de consumir, de exibir. O vírus nos aquietou e nos silenciou por um instante cósmico. Tempo suficiente para se aprender uma lição: que precisamos recomeçar!

Marcio Leite

Deixe uma resposta