Em Prosa e Verso Nonoi Escreve: O Fie da Lenha!

O FIE DA LENHA
Por Noedson Valois

A histora qui vô contá
Teve um cumeço assim
Fui pru mato buscá lenha
E ela foi atrais de mim.
Lá fizemo malineza
Eu mais ela ela mais eu
E dispois de nove meis
Um bruguelinho naceu.

Eu sortero e ela sortera
Num fiz prano de casá
Os pai dela intão pegô
U minino pra criá.
E ali ele foi creceno
Criado purus avô
E adispois de cricido
O caba virô dotô.

Foi us avô qui botô ele
Mode istudá na cidade
E ali o fie do pecado
Feis cuço de facurdade.
Se eu mais ela lá na lenha
Num tivesse malinado
A famia num ia tê
Um dotô adivogado.

Asdispois qui indotosô
Pur lá mermo quis ficá
E lá uma veis ô ota
É qui aparece pur cá.
Arrumô um casamento
Cum uma moça granfina
E dento di poco tempo
Ali naceu uma minina.

E a neta da malineza
Sendo fia de dotô
Creceu e foi istudá
Num tale de isteriô.
Tá na terra qui o papa fica
Foi u qui mi disse o pai
Acho qui é uma tale de Roma
Onde só quem tem boca vai.

Fiz mêa duza de veço
Mode contá essa histora
Pariceno inté puisia
Dessas criada na hora.
Custa mermo a acriditá
Qui isso seja verdadero
Fazê um fie lá na lenha
E tê neto no istrangero.

Deixe uma resposta