Em Prosa e Verso Nonoi Escreve: Não Entro Nessa Morada!

NÃO ENTRO NESSA “MORADA”!
Por Noedson Valois

O mundo é nossa morada
Cada qual no seu lugar.
Pra cada um um espaço
Um “lugazin” pra morar.
E a dignidade há de ser
Uma marca registrada.
Onde ela não reside,
Não entro nessa “morada”.

O luxo pouco interessa
No mais simples quero estar.
Espero, porém, que não falte
Dignidade em meu lar.
Essa é a maior virtude
E deve ser preservada.
Onde não mora a dignidade,
Não entro nessa “morada”.

Não cabe a vaidade
Em minha simples casinha.
Também não preciso ter
A fama como vizinha.
Minha morada há de ser
Pela honra habitada.
Pois onde a honra não mora,
Não entro nessa “morada”.

Ao pudor e à moral
Minha casa é sempre aberta.
As paredes são de respeito
E pela razão é coberta.
Firmada em fortes pilares
Não será desmoronada.
Onde a firmeza não mora,
Não entro nessa “morada”.

Minha casa é simplesinha
Não preciso de mansão.
Mas o pilar da hombridade
É que dá sustentação.
Pelos melhores costumes
Minha casa é sustentada.
Onde mora a safadeza,
Não entro nessa “morada”.

É singela a minha casa
Mas a vejo a mais bonita.
Pois aqui, de coisas feias,
Não recebo nem visita.
Somente pelo que é belo
Minha casa é visitada.
Onde mora a indecência,
Não entro nessa “morada”.

Moro em minha humildade
Assim eu moro feliz.
Não moro com o poder de julgar
Porque Deus é o meu juiz.
Nossa vida aqui na Terra
Será por ele julgada.
Onde mora o mau juizo,
Não entro nessa “morada”.

“Morou, leitor, onde moro?
Moro onde mora a verdade.
Se quer ser o meu vizinho
Formaremos comunidade.
O segredo está morando
Na palavra derivada.
Onde mora a malandragem,
Não entro nessa “morada”!

Deixe uma resposta