Em Prosa e Verso Nonoi escreve: Santo de Pau Oco

SANTO DE PAU OCO
Por Noedson Valois

Dotô, tu é mermo um santo
Agora acabei de crê.
As coisa qui tu premete
Dizeno qui vai fazê…
Eu sei qui du céu tu vem
Mandado pru nosso bem
Pronto pra nos socorrê.

Tu é mermo um santo, dotô,
Bendito então qui tu seja!
É mais santo qui os oto santo
Venerado na igreja.
Foi u céu qui ti derramô
Pra acabá nosso cramô
E ajudá na peleja.

Condo tu diz qui vai fazê
Um monte di coisa boa,..
Tu vei foi mermo mandado
Eu sei qui num foi atoa.
Vai chuvê contentamento
I u nosso sufrimento
Na inchorrada si iscoa.

Eita dotozinho bom!
É mermo um santo u dotô.
Todo feliz i contente
Cus dente nu quaradô…
Cum ele u mundo pur certo
Vai virá um céu aberto.
Ele é nosso redentô.

Cum tanta coisa, dotô
Qui o sinhô diz qui vai fazê:
Educação, sigurança…
Tudo de bom vamo tê!
Uma saúde tão decente
Qui eu acho mermo é qui a gente
Nem vai mais aduecê!

Isso é mermo um ome du céu
Qui jesus mandô pra cá
Pra sê nossa salvaçao
I nossas duença curá.
Vai tê fartura nas mesa
Purque o dotô, cum certeza
Vai tudim mutiplicá.

Di premessa nois tamo é chei
O povo num é otaro.
U qui u nosso santo qué
É garanti seu salaro
I si fosse mincharia
Cum certeza ele fazia
Campanha pro adversaro.

U povo vota nu dotô
I dipois recebe u troco
O dotô lá, numa boa,
I nois aqui, nu sufoco.
Nesse santo eu num boto fé,
Purque o qui o dotô é,
É um “santo di pau oco.

Deixe um comentário